Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

"NOVA MÃE, NOVO MUNDO"

Ser mulher numa sociedade construída para atender as demandas masculinas é injusto e cruel, mas não é só isso, a biologia aumenta as discrepâncias, visto que mulher é uma geradora de vida, logo, fica responsável pela manutenção, educação e cuidados do mancebo.
Além desse fato há esse amor insano que as mães têm pelos filhos, capaz de ir até aos intestinos do inferno para socorrê-los, com graves riscos para si mesmas. Sempre os perdoando e procurando salvá-los de todos os males. O que diminui exageradamente as chances de humaniza-los (aos filhos homens).
As mulheres são cruéis com as mulheres: julgam-se, competem entre si, difamam-se, dissimulam... O que traz um grande prejuízo para elas mesmas, pois não havendo união, tudo fica mais difícil. Até entre mães e filhas há competição e deslealdades, o que geralmente não ocorre entre mães e filhos.
Hormonalmente há essa insanidade que ora as mantêm lúcidas; ora, ensandecidas; ora decididas; ora hesitantes; ora, apaixonadas; ora, indiferen…

O DIA DO DEPRESSIVO

Abriu os olhos e percebeu que precisava reunir todas as suas forças para se levantar e enfrentar o cotidiano que, para a maioria, é normal, mas que para ele era um esforço sobre-humano.
As questões do dia-a-dia, tão corriqueiras para a maioria, como: levantar-se, arrumar-se e dirigir-se ao trabalho ganhara um peso jamais experimentado, exceto, pelos deprimidos.
Sabia que teria que chegar ao seu local de trabalho e se relacionar com os colegas, sorrir, ser amigável e simpático. Acontece que nada lhe dava sabor à vida, tudo era nublado; não havia cores que pudessem acalentar os seus sentimentos confusos.
Seu corpo funcionava igualzinho a um carro de gasolina que fora abastecido com diesel, sua mente é o motor que se recusa a normalizar devido à falta da substância correta para o seu funcionamento padrão, correto e normal.
Tudo o que encanta e agrada a maioria das pessoas já lhe são desprezíveis, insossas e até insanas. Você sabe que o problema está em você; sabe que precisa resistir e …

Sínodo do cadáver: Ódio além da vida

A Igreja Católica passava por uma época turbulenta no fim do século 9. Enquanto no século 20 a Roma teve oito papas, no século 9 contavam-se às dezenas os que se sucederam no cargo – a maioria na casa dos 30 anos. “Em alguns casos, os papas terminavam assassinados, eram depostos e fugiam”, diz a historiadora Valéria Fernandes da Silva, especialista em história da Igreja. As poderosas famílias de Roma tinham influência na Santa Sé, o que levou algumas pessoas perturbadas a se sentar no trono de Pedro. Mas, em termos de bizarrice, nenhum superou Estevão. No começo de 897, o papa Estevão VI (alguns o citam como Estevão VII) tomou uma atitude excêntrica: ordenou a exumação de seu antecessor Formoso, morto nove meses antes. No evento conhecido como sínodo cadavérico, o corpo do papa-defunto (isso mesmo, o corpo), vestido com insígnias e ornamentos, foi julgado e condenado por excesso de ambição. Estevão excomungou Formoso, que foi despido de suas vestes papais e teve amputados os dedos da…