Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

VERSÕES DE NÓS MESMOS

Em nossa história pessoal há diversas versões de nós mesmos, pois conforme o tempo passa e conforme adquirimos experiências, vamos nos transformando, amadurecendo, entristecendo, chorando, sorrindo, nos alegrando, exultando e regozijando envolto a loucura da vida e das relações com os nossos semelhantes. Interagimos o tempo todo na família, no trabalho, nos relacionamentos, em todas as relações humanas de todos os níveis. Isso tudo nos influencia naquilo que pensamos, que sentimos e que cremos e, a partir das experiências vividas vamos sendo transformados constante e ininterruptamente.
Às vezes, incorporamos a paz, a graça e a misericórdia; noutras, a guerra, a revolta e a rebeldia; tudo numa única pessoa e numa única vida. Acontece que as pessoas que nos encontram no caminho, irão desfrutar daquilo que temos para oferecer no período que estivermos atravessando. Como as fases são diversas e como atravessamos tempestades, tormentas e momentos de êxtases e alegrias, não somos constante…

Engenheiro pode ter descoberto o segredo por trás da construção das pirâmides egípcias

Uma nova e revolucionária teoria sobre a construção das pirâmides do Egito assegura que, ao contrário do que pensam os arqueólogos, as pirâmides foram construídas sobre uma base pequena, a qual posteriormente foi acrescentada uma série de blocos gigantes pela parte de fora. Ou seja, antigos egípcios criaram pirâmides por meio da acumulação de entulhos, que foram aumentando de dentro para fora e depois foram anexados tijolos de revestimento, o que deu o aspecto final dos monumentos. 

A nova teoria foi anunciada por Peter James, um engenheiro galês da empresa Cintec Internacional, que há 20 anos trabalha na manutenção das pirâmides do Egito. Depois de participar de inúmeras obras de restauração e escoramento, o especialista chegou à conclusão de que as teorias aceitas até hoje sobre o possível método utilizado na elaboração das pirâmides não seriam verdadeiras. Atualmente, acredita-se que as pirâmides foram construídas com blocos gigantes, colocados a partir de enormes rampas de acesso…

É A VIDA!

FRATURAS DA ALMA E HEMATOMAS DO ESPÍRITO

Quem já teve uma raiz do dente exposta sabe o quanto dói, bem como aqueles que tiveram cólicas renais ou inflamação dos tendões.
Agora, imagine só como é ter a raiz da vida exposta; como são as cólicas da alma e a inflamação do tendão da vida latejando e pulsando sem que haja um analgésico ou uma pomada para passar nas chagas da existência. Como lidar com as pisaduras do coração, com as fraturas emocionais e os partos existenciais feitos com fórceps e sem anestesia?
O fato é que não existe uma fórmula, visto que cada um de nós no decorrer da sua vida irá aprendendo qual é o seu jeito de lidar com cada uma das suas dores emocionais.
Dores que, aliás, é para todos nós, pois todos sofremos ou sofreremos cada uma delas para que aprendamos a superá-las e a sobreviver apesar delas. Viver dói e esse é um fato que todos descobrirão mais cedo ou mais tarde. E não pense que poderá evitar as dores e os sofrimentos daqueles que você ama, não poderá!
Somos demasiadamente humanos na forma de pen…

LI, MAS NÃO "GOSTI"

MUDE!

Vivemos na época da efemeridade, onde o amor é volátil; as declarações são falsas, as promessas são pérfidas e as pessoas têm almas artificiais. 
Perdemos o coração, a integridade, o zelo pela verdade e pela palavra empenhada e, muitos, perderam a esperança na humanidade. Se você faz parte desses desesperançados, sugiro que comece a transformação do mundo a partir do seu Universo interior: Transforme-se de dentro para fora que o mundo sofrerá a metamorfose que precisa! Se todos nós fizermos isso, em pouquíssimo tempo o mundo será um lindo lugar para viver. 
Em que mundo você prefere estar? 
Cláudio

"La vie de Adèle” (Azul é a cor mais quente - em português)

O que vi no extraordinário filme que conquistou a Palma de Ouro em Cannes, “La vie de Adèle” (Azul é a cor mais quente - em português),foi uma pessoa insegura, inexperiente e infantil em busca da sua identidade. Em meio às experiências vividas, ela vai se descobrindo, agindo com inconsequência e inconsciência, sofrendo e aprendendo.
Ainda não tem segurança, cede diante da pressão externa, não assume seus gostos, abre mão de suas posições e experimenta tudo o que nunca experimentara.
Relaciona-se sexualmente com garotos e com uma garota; apaixona-se perdidamente por ela e abandona o seu mundo, muda de universo e passa a viver noutra atmosfera, num habitat que não é o dela, mas de sua amada, o qual estranha e não gosta, porém por amor, permanece nele.
Desdobra-se para causar boa impressão e ser aceita pelo novo grupo, age sem espontaneidade em meio as suas estranhezas em relação às atitudes do grupo, mesmo assim, os imita e tenta ser parte desse habitat que não é o seu.
Sua companheira, que …

A morte da hora da morte

Novas técnicas devolvem a vida a pessoas que passaram até 10 horas sem batimento cardíaco nem atividade cerebral e fazem médicos voltar a discutir o que é morrerNão importa se por doença, acidente ou violência. Sua vida acaba quando o coração para. O sistema nervoso deixa então de receber oxigênio do sangue e entra em colapso. Após 5 minutos, os danos ao cérebro são considerados irreversíveis. Pouco depois você é declarado morto. Mas não devia ser assim. É o que dizem agora médicos e pesquisadores entusiastas de novas técnicas que têm trazido de volta à vida pacientes que ultrapassaram — e muito — o momento em que a medicina tradicionalmente considera alguém morto. O entendimento de que após 5 minutos começa não valer mais a pena insistir na reanimação tem base nos chamados Critérios de Harvard, uma reunião de protocolos de 1968 que ainda é a principal referência para determinar a morte. Mas como seria possível explicar, com base nessa ideia, o caso do jogador de futebol Fabrice Muam…