Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2016

AMOR E AFINIDADE SÃO FUNDAMENTAIS

Tem muita gente que nunca amou.
Há pessoas que pensam amar e se observarmos de perto só veremos carência, dependência afetiva e sentimento de posse, mas amor, não há.
Sem amor não há companheirismo, colaboração, união, cumplicidade, suporte e ou amparo, só há queda de braços pelo domínio da relação.
Não tem como ser feliz sem que se ame, a frustração é imensa e a insatisfação só aumenta, nos levando a depressão e ao desespero.
Casamento por qualquer outra razão que não seja o amor pleno, irrestrito, irrevogável, leal e incondicional não pode dar certo. Casar-se por interesse é suicídio, por carência, posse ou dependência é lançar-se no abismo.
Aqueles que amam ou amaram de fato e de verdade entendem o que digo, infelizmente para a maioria estou falando em língua estranha, mas aprenderão um dia.
Amor + afinidade = sintonia.
Não há casais felizes onde não há em primeiro lugar o amor e em segundo a afinidade, ambos são essenciais para a permanência conjugal, simples assim!
Cláudio


A DOR QUE MAIS DÓI

A dor que mais dói é aquela que sofremos pela palavra não dita, por tudo o que deixamos de fazer, ou por tudo o que julgamos que poderíamos ter vivido e não vivemos com alguém.
De fato é a total ausência de esperança de que interagiremos com alguém amado no futuro que faz sangrar a alma. Vemos isso quando alguém que amamos morreu, partiu desse mundo e nos deixou com as nossas frustrações, arrependimentos, remorsos e expectativas que alimentamos em relação a ela e a nós mesmos.
O sonho acabou, a fantasia se dissolveu e fomos obrigados a nos depararmos com a realidade de que, tudo poderia ter sido muito diferente do que foi.
Os “ses” nos atormentam: “E se ele tivesse feito isso ou aquilo?” ou “e se eu tivesse agido de tal ou qual forma?” Se, se, se... Só que não existem ses, apenas há a história e, história não se muda, não há como voltar atrás e fazer uma nova história. O que foi, é!
Para acabar com o sofrimento é preciso aceitar a vida como é, com as nossas falhas e com as falhas de…