Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2015

DESLIGAMENTO

Aos 50 anos vamos percebendo que as memórias vão se apagando, que há poucas recordações das nossas histórias com lembranças claras. Restam-nos apenas sensações.
Sabemos se algo foi bom ou ruim, podemos até saber o porquê foi bom ou ruim, porém, não há o acesso às memórias, aos acontecimentos específicos. Há sim, a certeza de que valeu ou não valeu a pena os episódios vividos; há a sensação de perda ou ganho, mas não há a visualização da trama da vida que é a nossa história.
Claro que não sei se isso ocorre com todos os cinquentões, só sei que comigo é assim, não me lembro de praticamente nenhum detalhe da minha história, apenas me recordo que algo foi bom ou ruim, se me arrependi ou não de ter vivido ou feito. As imagens ficaram para trás, perdidas em algum lugar do passado.

No começo me assustava ao ver que isso vinha ocorrendo comigo frequentemente; hoje, me sinto mais leve, pois aprendi que não é necessário carregar bagagens inúteis diariamente. E isso me proporciona a leveza nece…

ARQUIVOS DO CORAÇÃO

Um dia desses estava pensando sobre as recordações impressas ou filmadas, fotos e vídeos, que guardamos como forma de armazenar a felicidade fugaz vivida ao longo da nossa história.
Os sorrisos, os olhares, os aromas, o calor da emoção e as câimbras da comoção da alma não são confináveis, porém, o é o armazenamento das suas imagens. Por isso fotografamos: para congelarmos a felicidade e a carregarmos no tempo e na história; por isso filmamos: para revivermos emoções importantes, recordar cada detalhe que vai desde os sorrisos mais felizes aos olhares mais significativos.
Com imagens gravadas ou impressas, podemos acompanhar o desenvolvimento de nossos filhos, salvar períodos que passarão e que não voltarão jamais. Além disso, podemos mostrar a eles o que suas memórias já esqueceram: suas infâncias, momentos engraçados ou assustadores vividos por eles e, nos quais, não se recordam por terem sido vivenciados quando muito jovenzinhos.
Lembramos daqueles que se foram, que morreram antes …